25 julho 2017

Educação em Números

Apresentação de publicação 20-10-2014 SRE / Direção Regional Planeamento Recursos Infraestruturas
Educação em Números

Teve hoje lugar, na Escola Jaime Moniz a apresentação de um documento de enorme qualidade e que acaba por constituir a “cereja em cima do bolo” no sistema de monitorização estatística da educação na Madeira.

 

Tudo começou com um vídeo de grande qualidade onde se apresenta, de forma simples e fluída o essencial do documento apresentado.

 

De seguida, a Dra. Maria João Freitas aproveitou para apresentar o OSERAM, entidade que produziu este trabalho realçando a importância de clarificar conceitos, tendo-se centrado no Abandono Precoce da Educação e da Formação que revela o número de jovens com idades entre os 18-24 anos que concluíram no máximo o 9º ano e que não estão a frequentar qualquer nível de ensino/educação.

 

Por outro lado, o Sr. Secretário, na sua alocução, que se seguiu, também se referiu que a escolaridade obrigatória, que desde há já alguns anos passou dos 15 para os 18 anos, não se confundindo, de forma alguma com a conclusão do 12º ano, é um dos elementos a que a RAM se mantém mais atenta, assegurando, ao máximo, o seu cumprimento.

 

Aproveitamos para referir que, desde sempre, a Madeira tem assegurada a existência de números com vista ao apoio à decisão e ao planeamento. É fácil demonstrar esse facto, através dos dados disponíveis desde há mais de 20 anos. Os números dos nascimentos, elemento básico para o planeamento do sistema educativo foram corretamente previstos desde sempre. Há documentos públicos e publicados desde há duas décadas que contêm os valores com que nos confrontamos neste momento.

 

A rede escolar regional foi modernizada com base em toda essa informação pelo que os edifícios disponíveis são de qualidade e permitem prosseguir com o processo de idealização da oferta (no que respeita aos edifícios), concentrando alunos nas melhores e mais recentes escolas, libertando os edifícios mais antigos e menos próprios e com frequência rarificada para outros fins. Com benefícios óbvios para os alunos.

 

Desde há uma dúzia de anos, com o aparecimento da Plataforma PLACE, a Madeira deu o passo em frente no processo de “recolha” de informação estatística. Com a sua generalização (a todos os estabelecimentos públicos e particulares, desde a valência creche ao Secundário) fechou-se o processo: a “recolha” de informação deixou de existir sendo que a base de toda a observação e tratamento estatístico são os próprios dados administrativos das escolas. De onde são produzidos os registos de presenças, sumários, pautas, listas de alunos das turmas, horários de alunos, espaços e docentes…

 

Desde aí, o PLAC-E (Plataforma da Comunidade Educativa), sobre web, assegura as necessidades das escolas ao nível da gestão de alunos e garante que toda a informação estatística tem uma realidade pessoal, para cada indivíduo e em tempo real, por detrás.

 

Quanto à informação disponibilizada, nomeadamente com vista à decisão, o PLACE dispõe de acesso à mesma de forma simples, a todos os utilizadores da plataforma (consoante os seus perfis de acesso), de forma protegida por username e password. O PLACE não tem como atribuição a disponibilização de informação agrupada para o público em geral. Como não podia deixar se ser.

 

É com base em todo este processo e nesta informação, que o OSERAM produziu este trabalho de grande qualidade no que se refere ao seu conteúdo e aspeto gráfico.


Anexos

Descritores